Os posts deste Blog são copiados de outros
sites (pesquisando no Google)com seus devidos créditos.









Conta a historia de uma menina que ficou
órfã na Índia e viajou para a Inglaterra para viver na casa de um tio,
que ficou com a sua guarda.

No início do século XX, Mary Lennox (Kate Maberly) vivia na Índia
com seus pais, que não lhe davam muita atenção, deixando-a aos
cuidados de uma aia. Uma fatalidade os mata e, seis meses depois,
Mary desembarca em Liverpool, na Inglaterra, para viver com Lord
Archibald Craven (John Lynch), seu tio, na mansão Misselthwaite,
uma construção feita de pedra, madeira e metal, com mais de cem
quartos, uma fortaleza. Mary se sente deslocada e assustada, mas
não se dá por vencida. O tio era um homem fechado, muito amargo
pela perda da esposa há dez anos. Não conseguira superar o trauma.

Ele tinha um filho que sofria uma doença que o impedia de andar.
O tio, era muito presente embora quase sempre ausente na mansão,
falavam nele com medo, o tempo todo, mas ele sempre viajando,
numa constante fuga.
A casa era cheia de mistérios, governada por uma mulher muito
estranha, Sra. Medlock, autoritária e cheia de veneno, vivia a proibir.
Sua palavra chave era o NÃO. Nada pode, tudo é proibido, é
perigoso... Os empregados e as crianças tinham que viver sob sua
tirania e a vida corria lenta, limitadamente. Ela se privava de viver
bem e tentava impingir o mesmo às pessoas a sua volta.

A chegada da menina órfã (Mary) muda o clima da casa, dando
leveza e alegria. Mary não acreditava nas proibições da governanta.
Não a obedecia, desafiava-a. Transgredia as normas impostas. Aos
poucos, o castelo, de imensas portas fechadas, começou a se abrir
para ser explorado pela órfã. Cada dia ela fazia uma incursão por
alguma parte da imensa propriedade. Foi assim que, um dia, ela e
um amigo, irmão de uma serviçal da casa, encontraram o jardim
secreto.
Tal jardim escondido por altos muros teria sido freqüentado e cultivado
pela esposa do tio. Após sua morte, a chave do pesado portão se
perdera e ninguém entrava lá, há anos. Descoberto o Jardim, a menina
começou a cultivá-lo, com a ajuda do amigo e um velho jardineiro da
casa. Esperta, ela começou a inculcar em seu primo (a criança doente)
que ele era capaz de andar e ambos começaram a mudar as rotinas da
casa.
Passeavam às escondidas. O garoto doente foi descobrindo que não
era tão frágil e nem tão doente, quanto queriam que ele fosse. Tais
mudanças não agradaram a governanta, que tinha o poder e o controle
sobre a vida de todos na casa. Um dia, o dono da casa voltou de
viagem e recebeu um relatório das peraltices da sobrinha. Encolerizado
foi ter com ela, e a encontrou com o seu filho, brincando no jardim
secreto. O lugar onde jamais voltara desde a morte da mulher.

Para surpresa sua, o filho estava andando. Naquele momento, Lord
Archibald se abriu para a vida, ao ver a alegria do filho curado, das
flores e dos pássaros, e o brilho no olhar das crianças, naquele
esconderijo. Isso nos dá uma idéia de que em cada um de nós existe
um jardim secreto que às vezes deixamos de cultivar por causa das
dores ou pelas imposições da vida cotidiana.

Que tal resgatarmos nossos jardins secretos, permitindo que outras
pessoas façam parte dele, ajudando-nos a cultivá-lo, fazendo-o
florir!?!
O jardim secreto de cada um, é um lugar fantástico onde não existem
tristezas nem arrependimentos. Exala apenas perfumes, saudades e
boas recordações. Um esconderijo onde a força da amizade pode
trazer de volta a beleza da vida.
Assista o Jardim Secreto. Vale a pena... Um filme de rara beleza!

Alice martins







O JARDIM SECRETO DE CADA UM.

"Há dentro de todos nós essa necessidade de ter em algum lugar nosso jardim secreto, não onde vamos confinar nossos segredos, mas onde podemos ter um encontro real e exclusivo conosco."

CUIDE DE SEU JARDIM
"Não corra atrás das borboletas. Cuide de seu jardim e elas virão até você!Se passarmos todo o tempo desejando as borboletas e reclamando porque elas não se aproximam da gente, mas vivem no jardim do nosso vizinho, elas realmente não virão. Mas, se dedicarmos a cuidar do nosso jardim, a transformar o nosso espaço, a nossa vida, num ambiente agradável, perfumado e bonito, será inevitável... As borboletas virão até a nós... Dê o que você tem de melhor e a vida lhe retribuirá. "

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Como Fazer Terrários dentro de vidros



Mas afinal o que é um terrário?

Trata-se de um recipiente aberto ou fechado, onde cultivamos algumas espécies de plantas, simulando o seu ambiente natural!

Um terrário fechado apresenta, a uma micro-escala, o nosso meio ambiente, constituído por solo, água, ar, luz e seres vivos. Surge como um mini-planeta :)

Por isso, fazer um terrário é uma experiência muito interessante e divertida.

Além disso, permite-nos observar fenómenos da natureza, como o ciclo da água (só possível de ser observado em terrários fechados).

Como se dá o ciclo da água num terrário fechado?

Quando a temperatura aumenta, a água que foi colocada uma única vez no terrário, juntamente com a água proveniente da transpiração das plantas, evapora-se e dá origem a uma enorme concentração de vapor.

A atmosfera, criada pelo terrário fechado, não consegue absorver todo o vapor e quando este encosta na parede do recipiente, que está a uma temperatura mais baixa, condensa (transforma-se em gotículas que se depositam no tecto e nas paredes do terrário).

E o que acontece quando a humidade atinge um elevado estado de saturação?
Chove no terrário!

As gotículas precipitam-se para o solo, molhando de novo a terra. E reinicia-se o ciclo da água.

Um terrário também nos ajuda a perceber melhor, e de uma forma fácil, como funciona a camada de ozono. Essa tarefa é desempenhada pela tampa do recipiente. Sem ela, o vapor perder-se-ia no espaço. Não haveria o fenónemo das "chuvas" e nem existiria o ciclo da água.

Como fazer um terrário?

Primeiro temos de arranjar um recipiente transparente e prepará-lo para receber as espécies. A seguir deve-se:

• Lavar o recipiente com água e detergente, para eliminar todos os resíduos.

• Desinfectá-lo bem com álcool, para evitar que nasçam fungos ou bactérias, que possam alterar o equilíbrio do ambiente interno.

Logo que o nosso recipiente esteja bem limpo e seco:

1. Colocamos uma primeira camada de pedrinhas no fundo.

2. Depois uma segunda camada de carvão vegetal, areia ou casca de pinheiro.

3. Por fim, uma terceira camada de terra (as três camadas representam, de maneira simplificada, as condições ideais do solo - a terra serve para nutrir, o carvão vegetal para absorver os gases libertados, e as pedrinhas para drenar a água).

4. Fazemos um pequeno buraco na terra e colocamos a planta, tendo o cuidado de escolher espécies que gostem de água. A planta deve ser pequena para poder desenvolver-se (o ideal é escolherem-se pequenas mudas de plantas já com raiz).

5. Repomos a terra retirada ao redor da planta.

6. Regamos o terrário cuidadosamente e tapamo-lo.

7. Colocamos o nosso terrário num local que tenha claridade média (nunca directamente à luz do sol).


Algumas dicas úteis:

• Devem usar-se plantas numa medida proporcional ao tamanho do terrário. É necessário encontrar um ponto de equilíbrio ecológico.

• Se uma espécie vegetal começar a murchar, é sinal de que não está a adaptar-se ao microssistema. Nestas circunstâncias, deve ser devolvida ao seu meio natural.

• A vida útil do terrário pode chegar a um ano ou mais. Porém, há um cuidado básico a ter em conta: ele deve ser aberto a cada uma ou duas semanas (por um período mais ou menos de 2 horas) para que as plantas recebam alguma brisa.

• Uma vez regado o terrário, o ciclo da água inicia-se. Se o recipiente estiver muito encharcado (o vidro pode ficar muito embaciado). Devemos abri-lo por algumas horas para secar e depois fechá-lo novamente. Se a transpiração não estiver a ocorrer (sem gotículas no vidro), devemos regá-lo com um pouquinho de água! Mas atenção, é só um pouquinho!

• Já que as plantas num terrário não têm muito espaço para crescer, não é necessário adubá-las. Conforme as plantas forem crescendo, terão de ser podadas cuidadosamente, utilizando para tal uma tesoura pequena.

• Na criação do nosso terrário, nada nos impede de dar asas à nossa imaginação. Podemos decorá-lo com pedras, conchas, musgo, paus, etc... O nosso terrário não só ficará mais bonito, como espelhará, a uma micro-escala, a Mãe Natureza.









Modelos de Terrários encontrados no GOOGLE (Abaixo)

Imagem relacionada

Resultado de imagem para terrário

Resultado de imagem para terrário
Resultado de imagem para terrário





Confira o passo a passo de como fazer um:
Materiais

• Recipiente (vidro, cerâmica, barro, tênis, panela... use a criatividade)
• Substrato preparado, nesta proporção: 3 partes de terra vegetal, 2 partes de areia e 1 parte de perlita
• Pedrinhas e cascalhos
• Mudas de plantas suculentas (de tamanho apropriado pro seu recipiente)
• Adereços ao seu gosto: areia colorida, personagens, pedrinhas, conchas, etc
• Ferramentas (pode improvisar com: colher de diferentes tamanhos, pinça longa, pincel, etc)


 Editora Globo (Foto: Editora Globo)
Como fazer

1- Lave bem o recipiente com sabão. "Nunca se sabe o que pode ter dentro, assim evitamos que algum fungo ou larva de inseto se prolifere ali", explica Babi. Espere secar completamente.

2- Faça uma pequena camada com as pedrinhas ou cascalhos no fundo, para facilitar a drenagem caso haja um excesso de água já que os recipiente não tem furos.

Editora Globo (Foto: Editora Globo)

Use a sua imaginação e crie em sua cabeça mais ou menos o cenário que deseja reproduzir. Dessa forma não corre o risco de montar tudo e depois mudar de idéia.

Retire suas plantas dos vasinhos, tomando sempre cuidado para preservar o máximo que conseguir do torrão original de terra em volta da raíz. "Isso garante uma melhor adaptação da planta na nova casa, embora nem sempre você consiga". Assim consegue saber a quantidade de terra necessária para completar o recipiente escolhido. Caso o torrão seja grande, coloque-o dentro do recipiente e vá completando com o substrato preparado até a altura desejada.
Colocadas as plantinhas, pressione levemente o solo em volta do tronco para que elas se acomodem melhor no novo solo.
sempre bom não deixar o solo exposto, isso faz com que água evapore mais rapidamente. Coloque uma pequena camada de pedrinhas e/ou areia para proteger seu solo.
Editora Globo (Foto: Editora Globo)



Enfeite o seu cenário com o que achar de mais interessante: pedras, tronquinhos, mini gravetos, personagens, areia colorida, o que vier na sua cabeça. "É a parte mais legal!", conta Babi.



Nenhum comentário:

No meu arquivo, você encontrará matérias de sites e blogs
que ensinam a como cuidar da natureza.
Se você assim como eu, deseja aprender, é só clicar nos ítens abaixo.

Obrigada pela visita .Volte sempre ao meu paraiso. Rejane

Floresça!
No principio da vida todos são iniciados como sementes...Quando o primeiro broto surge, o Mundo é apresentado a ele...e muitas vezes os brotos se perguntam: "Como brotei?"Outros nem sequer se dão conta.Vivencie o broto do momento...Flua nesse brotar...Cultive com amor o seu território, não deixe as ervas daninhas, construídas de sua própria ilusão, interferirem no seu crescimento...Vivencie este crescimento...Assim você será uma bonita árvore cheia de sabedoria e amor a oferecer...Sinta a necessidade do coração e vá em frente escalando a divindade do seu Ser...Acredite, o supremo mora em vc...Brote! Cresça! Sinta se você está crescendo no caminho certo, identifique, faça o movimento verdadeiro para que sua árvore não mingue. Florescer na vida é florescer no hoje, no agora e no amanhã! Floresça a sua vida, simplesmente floresça!
(Fênix Faustine)
"Sei que é nos sonhos que os jardins existem, antes de existirem do lado de fora. " Rubem Alves

"Eu acho que Deus, ao criar o universo, pensava numa única palavra: Jardim! Jardim é a imagem de beleza, harmonia, amor, felicidade. Se me fosse dado dizer uma última palavra, uma única palavra, Jardim seria a palavra que eu diria." Rubem Alves

221l

Casa , natureza e amor.Tudo que precisamos para ser feliz.

Rejane